quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Convite à Morte (Poesia)

Deitado numa cama
Envolto em pensamentos
Num rompante saltei
E fui em direção a uma caixa
Repleta de pílulas
Que na medida certa deveriam me fazer bem
E as ingeri todas de uma só vez
Estava fazendo o meu terceiro convite à morte
Não satisfeito, fui à cozinha
E peguei a primeira faca que vi
Já sem forças, comecei a cortar o pulso esquerdo
Cuja pele parecia tão grossa
Que ao serrilhar só via pele
Até que uma gota de sangue apareceu
Já enfraquecido, mal tive forças pra cortar o pulso direito
Definitivamente não era o meu dia de ir embora
Bem que tentei, suportei as dores dos cortes
Em meio a tontura que os medicamentos me deram
No momento certo, meu pai adentrou meu quarto
E me salvou, me imobilizando com habilidade de um lutador de MMA
Tentei resistir, com a ideia fixa de morrer
E entra no quarto minha mãe chorando
E essas lágrimas concluíram meu salvamento
Ali resolvi retirar meu convite à morte
Não conseguiria morrer causando tamanha dor
Àqueles que me deram a vida
Vida que quero viver
Renasci e pensei como seria ver um de meus filhos fazendo o mesmo que eu
Eu me tornaria, sem dúvida, um morto-vivo
Preciso de ajuda, vou buscar ajuda e vou ressuscitar
Virei mais forte e quero ser para meus filhos
O que meus pais foram e são pra mim
Decidi pela vida e a quero mais do que nunca!
Que a morte venha na hora que Deus marcar
Ela será bem vinda...
Mas não agora, não agora...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Bússola (Poesia)

Minha bússola não me entende
Ela vive apontando pro Norte
Mas minha sorte está no Sul
Naquele porto repleto de alegria
Onde o meu navio ancorado
Espera pela luz que alumia
Os meus devaneios mais sublimes
E lá vem ela caminhando
Por entre adornos negros, brancos e azuis
Aos meus braços saudosos
Daquele corpo celeste
Cabelos caramelados
Boca aveludada
Oh, minha doce Maria
Eu viajaria todos os kilômetros do mundo
Para prestar-lhe toda minha devoção
Em forma de um singelo beijo.

(30/01/2008)

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Tua Língua Falo (Frase)

Faz de mim teu poema escrito pela saliva dos teus beijos. Tua língua falo.

(05/11/2010)

Lugar Certo, Lugar Errado (Prosa Poética)

Passeio meus olhos sobre a mesa
E vejo tanta coisa distinta uma da outra
Papeis que para nada servem
Mas que são necessários para algo que finjo entender
Vejo também uma partitura que não tem necessidade aqui
Mas é o que mais faz sentido entre essa papelada
Aqui tem um computador onde realizo tarefas que não mudarão a vida de pessoa alguma
Porém, eu o uso agora para mudar a minha vida
Escrevendo essas palavras que fluem dos meus sinceros sentimentos
O que faço eu diante deste estojo de lápis, canetas, borrachas e papeletas?
O que faço sentado nessa cadeira, nessa sala vazia?
Não me sinto pleno e tenho a absoluta certeza de que estou no lugar errado
Mas o fato de ser errado não impede de que eu esteja aqui
Na verdade eu preciso estar aqui neste lugar errado
Pois no lugar certo eu não tenho a segurança que o lugar errado me dá
Dilema... Ter uma vida segura ou ter uma vida insegura, mas feliz?

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Relação (Poesia)

Tentação e tentativa
Papel e caneta
Espírito e corpo
Canção e cantor
Letra e melodia
Poesia e eu

(09/09/2009)

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Sobre a Leitura (Pensamento)

Ler e escrever - A ordem dos fatores altera o produto.

A leitura é o abastecimento da escrita.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Mundo Pasteurizado (Poesia)

Onde foram parar aqueles que formaram minha opinião?
Pouco a pouco meus mestres estão partindo
E não restam muitos por aqui hoje
Quem serão os mestres dos meus filhos, netos e bisnetos?
Esses "produtos" da mídia
Que emitem opiniões cerceadas por empresários, assessores e produtores?
Essa gente "politicamente correta"
Que não pode ir contra os modismos impostos pelo o que chamam de "sociedade"?
Ou essa gente que tornou a vida uma bagunça
Confundindo liberdade com libertinagem?
Mesmo com essa libertinagem de hoje, não se enganem:
As pessoas ficaram mais caretas, tremendo paradoxo!
Hoje as belas bundas e os belos músculos ditam regras de comportamento
Apesar da maioria dos seus portadores terem cérebro de amendoim!
As "bundas" e "músculos" que fizeram parte da minha formação humana
Pensavam,  formavam e geravam opiniões, que faziam as pessoas usarem a cabeça
Não se dá mais o devido valor ao condicionamento físico do cérebro
A cada dia vejo morrer o senso crítico das pessoas
E vejo nascer um mundo pasteurizado e alienado
É a filosofia daquela música "Tindolelê"
(Todo mundo tá feliz? Tá feliz!)
Felicidade forjada, sorrisos de fachada
Sinto saudade dos tempos onde os polêmicos faziam as pessoas pensarem
Os polêmicos de hoje fazem as pessoas se revoltarem
Com suas declarações carregadas de burrice e preconceito
É proibido pensar?
É proibido "bater de frente" pra não se "queimar"?
Contestar é pecado, é "mimimi", é rabujice?
Que merda de mundo é esse
Que me obriga a sorrir toda hora
E me revoga o direito de ficar triste e chateado de vez em quando?
Que se apartem de mim os controladores de emoções
Desse mundo limitado, corretinho, careta, pasteurizado
Mundo retrógrado!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Bailarina (Poema)

O que te move, bailarina?
De onde vem esses passos
Que exigem tanta resistência
E ao mesmo tempo tanta leveza?
É uma força tão delicada...
É uma sensualidade tão pura...
Sinto um medo que me encoraja
Um desejo que me leva à culpa
Uma coragem que me intiimida
Uma culpa que me apetece...
Ah, bailarina...
Teus saltos e giros me fascinam
Tua elasticidade me leva a pensar
Que o impossível é possível
Tua dança é divina e humana
Pois vejo Deus
E vejo uma mulher
É tão estranho...
Não sei se estou pecando
Ao te olhar dançar
É uma confusão de sensações
Baila, bailarina
Teu pas de deux me traz paz
E elevé minha alma

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Vida Dura de um Músico (Artigo)

Alô, Brasil!

Hoje decidi falar sobre algumas histórias reais que vivi em 17 anos de música. Certamente, você que é músico ou conhece alguma pessoa que trabalha com música, já deve ter vivido ou escutado coisas como estas que vou contar.

Se tem uma coisa que irrita um músico (e muitos não tem coragem de expressar isso) é quando o cidadão está tocando no bar e no meio da música uma mesa animada começa a cantar parabéns tão alto, às vezes com direito a batucada na mesa, como se o profissional da música não estivesse ali trabalhando e se esforçando para entreter as pessoas presentes. Sim, eu digo que tem vezes que nosso ofício é um esforço, apesar de amarmos o que fazemos, pois é impossível agradar a todos. Já aconteceu num lugar que eu estava tocando o seguinte: tratava-se de um local onde o estilo musical principal era o samba, mas eu abria para outras vertentes como o afrosamba, sambarock, samba de gafieira e tocava também um pouco de soul com uma roupagem de samba. Era um repertório animadíssimo pras pessoas dançarem. Eis que de repente chega um guardanapo com uma lista de músicas que continha "Canteiros", "Oceano", "Chão de Giz", "Espanhola" e etc... Ok, eu poderia até fazer versões "pra cima" dessas canções, mas pela listagem não era o objetivo da pessoa que eu fizesse músicas animadas. Não atendi o pedido, pois a casa estava cheia e grande parte dela estava envolvida na alegria do repertório. Simplesmente o cidadão mandou mais duas vezes os pedidos até que chegou um bilhete desaforado dizendo que o meu repertório estava chato (oi?) e que eu era um músico fraco e por isso ele estava indo embora e não ia pagar o couvert.
Certa vez, numa festa particular, eu estava tocando junto com Luciano Fogaça, percussionista que sempre me acompanha e aconteceu uma das piores situações de toda a minha carreira. Estávamos tocando um repertório dançante (inclusive PESSOAS DANÇAVAM!) e uma moça vinha toda hora pedir pra tocarmos músicas animadas (oi?) até que depois de insistentes pedidos, a queridona sacou um celular daqueles que toca música alta e no meio da nossa apresentação ela colocou FUNK no celular dela e as pessoas da mesa dela começaram a dançar até o chão, chão, chão... Imediatamente Luciano e eu paramos. Nem preciso dizer que ficou um clima tenso na festa...

Outra passagem inesquecível foi quando toquei em um famoso bar da Barra da Tijuca e uma cidadã insistentemente pedia pra que eu tocasse músicas do Diogo Nogueira. Ok, quando eu fui pro set de sambas, toquei duas músicas do repertório do Diogo, sucesso, missão cumprida... Ledo engano: a moça voltou e pediu, irritada, pra que eu tocasse Diogo Nogueira. Respondi que tinha acabado de tocar duas músicas do repertório dele e eis que a moça disse a seguinte pérola: "Ah, mas eu não gosto de Diogo Nogueira...". OI???????? Nessa mesma noite, no meio do set de sambas, logo após esse momento inesquecível, uma outra moçoila solta o seguinte grito: "TOCA SAMBA AÊ!". Eu olhei pra cara do Luciano e começamos a rir... Perguntei no microfone o que era samba e a risada foi geral... Eta, vida!!!!!

Ser músico, às vezes, é barra pesada, mas eu gosto!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Contrastes (Poesia)

Recolhi as fotos, rasguei os fatos
Quebrei os pratos, juntei os cacos
Esqueci das palavras, lembrei das caladas
Acabou o ardor, lá se foi o amor
Morreu a tristeza, ressurgiu a alegria
Te perdi, me ganhei

domingo, 10 de abril de 2011

Relações Interpessoais da Era Digital x Era Analógica (Crônica)

Ontem constatei uma coisa que me assustou. Notei que mantenho mais contatos via internet do que fora dela e perdi a habilidade de "puxar assunto" com pessoas que não conheço, cara a cara. Vi que, atualmente, a minha habilidade de fazer amizades via internet é inversamente proporcional à minha habilidade de fazer amizades fora do cyberespaço. Engraçado, porque eu sou de uma geração que não tinha internet até o fim da adolescência, que viu o surgimento dos telefones celulares e demais aparatos que "diminuem distâncias". Lembro que eu era um cara muito hábil em fazer amizades, era descolado e abordava as pessoas sem problema algum. A medida que a internet entrou na minha vida, transferi pra web essa habilidade. Sim, a palavra certa é transferência mesmo, porque saiu de um lugar e foi pro outro. Fiquei assustadíssimo porque eu estava numa casa de shows e troquei olhares com uma jovem bem apessoada e me vi travado, sem saber o que fazer e dizer. O que eu diria? "Oi, de onde você tecla?", "Você tem MSN? Twitter? Facebook? Skype? Orkut?". Simplesmente eu não tinha fala, não tinha atitude e na internet sou exatamente o contrário. Isso é preocupante, ao meu ver, e tenho certeza que não sou o único quem vive essa realidade.

Fiquei lembrando de situações inusitadas, como conhecer uma vizinha que mora bem ao lado da minha casa pela internet. Sim, eu puxei assunto com ela pedindo seu Orkut e MSN. Isso faz tempo. Só agora fui notar que isso foi piorando com o passar do tempo. Quantas vezes usei a internet pra conhecer melhor pessoas que eu poderia conversar de perto e conhecê-las à "moda antiga".

Eu sempre digo aos meus amigos que estamos na "Era Digital" e tudo hoje é mais "rápido", "dinâmico"... Eu me adaptei perfeitamente a esta "Era", pois sou um Geek assumido, só que sinto falta de coisas que existiam no que eu posso nomear "Era Analógica", como os encontros ao vivo, sem aparatos eletrônicos, quando as pessoas iam nas casas das outras, quando as confidências entre os amigos eram feitas pessoalmente e não por email, mensagens instantâneas e redes sociais.

Lembro do tempo onde toda semana tinha uma festa, uma reunião na casa de alguém... Levávamos bebidas, comidas e confabulávamos e trocávamos idéias ali, ao vivo. Era rico demais, eram experiências definitivas. Era uma troca de energias, conhecimentos e opiniões, que acrescentavam muito na "bagagem" de cada um.

Lembro que eu tinha a Enciclopédia Barsa e hoje temos o Google. Ok, eu acho o Google um avanço em termos de pesquisa. A velocidade na aquisição das informações pretendidas nem se compara quando era pra procurar na Barsa. A internet tem benesses fantásticas para a vida do ser humano, mas não tenho visto grandes benesses para os relacionamentos interpessoais. Vejo muita gente como eu, que transferiu sua vida social para o cyberespaço.

Vou usar um jargão muito recorrente no Twitter: "TEM QUE VER ISSO AÍ..."

E vou ver mesmo, e mudar. Nada de fazer uma nova transferência, mas na verdade um Control+C, Control+V das minhas habilidades interpessoais na web para a minha vida fora da web.

Relacionemo-nos pessoalmente, não deixemos isso morrer nunca.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Erros... (Reflexão)

Muitas pessoas dizem que aprendemos com os erros e concordo com elas. Porém, será que insistir no mesmo erro faz você realmente aprender algo? Sinceramente, acho que o efeito é inverso. Tudo bem, essa coisa de viver a vida tendo tolerância consigo mesmo acho até salutar, mas também acho que a autocrítica não pode ser deixada de lado. Notei em mim, noite passada, uma triste tendência de repetir erros diversas vezes, ou seja, acho que ao invés de aprender com os erros eu "desaprendi". Acredito que o aprendizado com um erro tem como seu principal produto o fato dele não ser mais repetido, ou, no máximo, ele não ser repetido com frequência. O que me alegra são essas palavras que estou escrevendo, provando para mim mesmo que há uma luz no fim do túnel. Chega de "erros de estimação"! Ok, errar é humano, e como sou humano, não vou parar de errar, mas como diz o dito popular, "persistir no mesmo erro é burrice" e burro eu não sou.

Minha Poesia é Ruim (Poesia)

Não sei escrever poemas
Sou apenas um homem que gosta de palavras
Gosto de unir palavras e sentimentos
Não esperem de mim textos geniais
Esperem de mim apenas palavras que saem do mais profundo do meu ser
O que não quer dizer que eu seja profundo
Ou que eu vá escrever coisas profundas
Sou quem sou sem vergonha de o ser
Minha poesia é ruim
É rasa, é simplória
Mas é verdadeira, ainda que você não goste dela
Seguirei escrevendo, publicando
Quem sabe eu não pegue o "jeitinho"?

Locked Door (Poesia)

A porta foi trancada
Todas as chaves foram destruídas
Não tem maçaneta
Ninguém mais entra
Eu não saio mais
O mundo lá fora virou ao avesso
E eu não quero mais me envolver
Quem me ver andando por aí
Saiba que é apenas um corpo que caminha
Deixei no lado de fora bons sentimentos
Aos velhos e bons amigos
Aos familiares, ao meu trabalho

Serei daqui pra frente um indivíduo sem sexo
Uma pessoa, somente uma pessoa
Com sonhos mais modestos e possíveis
Dizem que o ser humano não nasceu pra ficar só
Comprovarei a veracidade disso na pele
Sim, eu desisto, mas não de viver
Quero viver, e muito
Quero estar perto dos meus amigos
Quero cuidar dos meus filhos
Mas não quero mais a tal "ajuda necessária" que a Bíblia diz
As mulheres são dádivas divinas
Mas não quero mais delas algo além de amizade
Não quero mais relações sexuais
Não quero mais beijos na boca
Só quero viver cada segundo do tempo que Deus me reservou
E quando Ele me levar, sei que vou deixar boas coisas neste mundo
Não me importo, com toda a sinceridade
Se me acharem louco, depressivo ou seja lá o que for
O que me importa é que vou buscar a minha felicidade
E a minha felicidade verdadeira está dentro de mim mesmo
Quem sabe, após eu encontrá-la, eu arrombe essa porta trancada
E mude de ideia?

Decisão (Poesia)

É doloroso tomar certas decisões
Abdicar de sentimentos tão repletos de certeza
Há sentimentos que são iguais a furúnculos
Pra sarar, tem que espremer, sentir dor
E quem gosta de sentir dor?
Quem espreme um furúnculo por vontade espontânea?
É necessário tomar a decisão de extirpar as bactérias
E se preparar pra dor do momento
O que nos encoraja a espremer
É a certeza que depois daquela dor
Basta colocar remédio na ferida
Que ela vai cicatrizando
O problema é deixar a ferida aberta
Possibilitando a entrada de novas bactérias
Inflamando e talvez até piorando a situação
Portanto, o melhor é sentir a dor
Da decisão tomada à contragosto
Pra depois sentir o gosto do alívio
E dizer: "Ufa, passou!"

segunda-feira, 28 de março de 2011

Pensamento - 28/03/2011

Minha felicidade, pra uns, é insuportável. Nem preciso afastar estes. Se vão por si só. Ser feliz é a melhor arma contra gente má.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Flor das Alagoas (Poesia)

Sapeca, cara de boneca
Jeito de mulher faceira
Flor das Alagoas
Faz morada nos meus pensamentos
Tem um olhar esperto
A beleza das praias alagoanas
Onde reina soberana
Moça sonhadora
Conquistadora
Arrebatadora
Por onde passa deixa um perfume
Que encanta e enfeitiça
Quem olha pra ela não se esquece
Feliz de quem a tocar
Feliz de quem conhecer sua alma
Flor das Alagoas
Com ela quero viver
Com ela quero adormecer
Com ela quero amanhecer...

quarta-feira, 23 de março de 2011

Quem é Você? (Poesia)

Sonho com o dia que vamos nos encontrar
Não sei quem é você
Não conheço suas formas
Seu cheiro, sua voz
Não sei seu nome
Sua cor preferida
O time que torce
O seu email
O seu perfil no Facebook
Nem sei se já nos esbarramos em algum lugar
Se estamos na mesma rua, cidade, país, planeta
Mas sei que a amo
E por você sou amado
E em algum lugar está a me esperar
Com as mesmas dúvidas que eu
A saudade invade meus dias
Preciso vê-la, abraçá-la
Tocá-la, ouví-la
Afinal, quando descobrirei, enfim
QUEM É VOCE?

Green Dress (Poesia)

Deitada na plenitude da sua volúpia
Provoca no poeta os instintos mais primitivos
Um alvoroço na alma e no corpo
O verde do tecido que cobre essa deusa
É a esperança de um dia, quem sabe, retirá-lo
E provar das delícias divinas dessa mulher
Enquanto isso, fico a imaginar essa pele tocando a minha
E torcendo pra que tudo isso aconteça e permaneça

segunda-feira, 21 de março de 2011

Coisas Que me Irritam Profundamente - Parte 1 (Crônica)

O "BABA-OVO" (Puxa-saco, bajulador...)

Esse tipo de pessoa sempre foi uma pedra no meu caminho e tenho inúmeros motivos pra me irritar muito. Lembro que quando eu trabalhava numa determinada Instituição Pública, eu era considerado o melhor funcionário administrativo de todo o prédio, porém me faltava uma "qualidade": Eu não sabia puxar saco de chefe e todas as promoções que rolavam, eu era preterido, mesmo sendo o mais capacitado. Mas depois de muitos anos, ganhei uma promoção, porque se não fosse pra mim, ia pegar muito mal.

Eu tenho notado na rede social FACEBOOK uma coisa nos perfis de alguns famosos: os caras "cagam" regras num local onde o bom senso é a única regra. O engraçado é que a reclamação é parecida: "não me enviem bonequinhos, ursinhos, etc...". Aí chega um monte de puxa-saco dizendo "apoiado, é isso aí...", mas jogam Mafia Wars, FarmVille e mandam links desses joguinhos e alguns até as "florzinhas", "cervejinhas", "ursinhos", "coraçoezinhos". Mas pra ficar bem no conceito do artista famoso, diz que o cara tá certo.

Eu mesmo me peguei fazendo isso no próprio Facebook e quando percebi, tratei logo de parar. Tenho meus contatos entre artistas famosos, que nunca vou ostentar, porque também sou artista e a única coisa que ostentarei é a minha arte. Digo só que tenho sorte de ser amigo de alguns ídolos e poder aprender de perto com eles.

Hoje, eu vejo quem gosta realmente de mim e quem é oportunista. Os oportunistas são aqueles que não demonstram apreço, porém não desprezam totalmente. Não sei se um dia ficarei conhecido nacionalmente. Sei que se eu ficar, aparecerão puxa-sacos, mas também podem aparecer novos amigos. É só separar o joio do trigo.

Beijo nas crianças,
MB

Sensação de Paraíso (Poesia)

Existe o paraíso?
É o que me parece quando seus olhos me fitam
Quando sua mão desliza levemente pelo meu peito
E sua boca molha meu pescoço de beijos

Existe o paraíso?
É o que sinto quando toco seus cabelos
Quando percorro minha boca em seus seios
E meus olhos contemplam sua suntuosa nudez

Não sei bem se o paraíso é isso tudo
Fazer amor com você me leva a sentir que estou neste lugar
Só vejo beleza, só ouço prazer em ruídos sutis
Sinto na pele a maciez do seu corpo, sinto odor de prazer e o gosto do seu beijo

Se existir paraíso
Quero que seja assim, exatamente assim
Quero essa sensação de paraíso
E que esse paraíso tenha sensação de "pra sempre".

Resiliência (Poesia)

Desemprego
Mãe doente
Contas vencidas
Solidão
Eu doente
Pai trabalhando além da conta
Nome sujo
Esquecimento
Misantropia
Filho que não dá notícia
Pensão atrasada
Responsabilidades que não são minhas
Respiração dificultada
Filha com imunidade baixa
Plano de saúde que não cobre tratamento decente
Carro parado por falta de combustível
Vida parada por falta de dinheiro
Sem dinheiro por falta de trabalho
Isso tudo superei
Não pirei
Levantei
De pé fiquei

sábado, 19 de março de 2011

Exposição em Redes Sociais (Crônica)

Hoje acordei e fiquei passeando por Facebooks e Twitters, de um jeito que não costumo fazer. Não sei, deu vontade de analisar comportamentos e prestar uma atenção mais profunda no que as pessoas escrevem em redes sociais. Vejo que tem pessoas com um nível de carência afetiva tão grande que chega a dar pena. Com essa observação, eu comecei a me avaliar no que escrevo em redes sociais e concluí que durante um tempo eu fui assim, carente, "mendigo de atenção". Esse quadro, em mim, foi mudado não sei quando, mas foi.

Tenho como exemplo postagens de pessoas que querem mostrar a qualquer custo que são bem sucedidas ou que são casadas/vinculadas a pessoas bem sucedidas. Outro exemplo são mulheres que colocam fotos para serem cortejadas por homens apenas para manter sua autoestima lá no alto. Pessoas que tornam seus relacionamentos amorosos públicos, praticamente permitindo a intromissão de outras pessoas, anunciando que está namorando em postagens, não bastando o aviso no status de relacionamento, e fica dizendo o que faz e o que não faz com a pessoa que namora. Isso me parece aqueles filmes adolescentes americanos que se passam em escolas ou a novelinha Malhação.

Eu expunha exageradamente minha vida pessoal em redes sociais. Fiz uma revisão profunda do que escrevia e vi que era totalmente desnecessário. Hoje, o que exponho é a minha vida profissional, afinal, sou músico e se as pessoas não souberem onde vou cantar, elas não irão. Divulgação é diferente de exposição.

Beijo nas crianças,
MB

A Mulher da Capa de Revista (Poesia)

Tive nas mãos uma capa de revista
Pra melhor entender, a mulher da capa
Sim, uma daquelas que todo homem gostaria de comer
Inclusive, acho que até você comeria
E ela estava ali, toda disponível pra mim
Enquanto eu a olhava, via você
Enquanto eu a beijava, pensava em você
Enquanto eu a tocava, sentia você
Um sentimento de culpa começava a me invadir
Sentia que estava traindo uma mulher
Que me deixou de forma decidida e impiedosa
Que me fez chorar como nunca chorei até o momento
Esse tal de amor faz essas coisas com a gente
E enquanto meu corpo funcionava independente do meu sentimento
Essa minha divagação foi interrompida
Por aquela mulher voluptuosa
Sim, ela era muito gostosa
E com aquela voz sexy, me perguntou:
"Marcinho, pra onde você vai me levar agora?"
Eu respondi:
"Pra casa..."

Este Canto (Poesia)

Quero aliviar meu pranto
Neste canto que vem do fundo
Meu mundo desabou
A festa terminou
Hoje é só vontade
Hoje é só saudade
No meio de tanta gente
Me sinto diferente
Me sinto transparente
Me sinto tão sozinho
Este canto arranca o espinho
Acalanta minha alma
Restaura minha calma
Me livra da morte
Muda minha sorte
Cicatriza esse corte

Mágoas e Coisas Afins (Poesia)

Machuca meu peito
Sua lâmina cega
Sangue pisado
Dor
Solidão
Antes tivesse me cortado
Eu lavaria a ferida
Estancaria o fluxo
Choraria, talvez
Mas, apenas por um dia
E quando a lesão é por dentro?
Mais dor
Mais solidão
Sensação de impotência
Fraqueza
Você deveria ter socado meu rosto
Hoje eu saberia o que fazer
Não sei o que fazer com palavras
Quando elas vem a mim como armas letais
Mágoa
Maldita sensação de tristeza
Veneno que age tão rápido
Quando aquela pessoa que magoa
Tem algum grau de importância
Tudo o que pode curar
Parece ser inútil nessa hora
Até que chega o momento
Que lembro do "senhor da razão":
O TEMPO
Certamente uma criação divina
Que nunca falha