segunda-feira, 16 de maio de 2011

Bailarina (Poema)

O que te move, bailarina?
De onde vem esses passos
Que exigem tanta resistência
E ao mesmo tempo tanta leveza?
É uma força tão delicada...
É uma sensualidade tão pura...
Sinto um medo que me encoraja
Um desejo que me leva à culpa
Uma coragem que me intiimida
Uma culpa que me apetece...
Ah, bailarina...
Teus saltos e giros me fascinam
Tua elasticidade me leva a pensar
Que o impossível é possível
Tua dança é divina e humana
Pois vejo Deus
E vejo uma mulher
É tão estranho...
Não sei se estou pecando
Ao te olhar dançar
É uma confusão de sensações
Baila, bailarina
Teu pas de deux me traz paz
E elevé minha alma