quinta-feira, 14 de março de 2013

O Esquema Tático da Vida (Crônica)

A vida é uma caixa de surpresas. Pessoas surgem, pessoas vão... Pessoas marcam, sim ou não. Deixam aquele perfume nas mãos. A vida é caprichosa nas suas tramas. Ela é meticulosa, faz seus arranjos e promove inesperados encontros. Nem sempre no tempo dos humanos, mas sempre no tempo dela. Tolos somos nós que queremos ser senhores do tempo. Não, não é assim. Paciência é a chave e nem todos nós a temos ou a desenvolvemos. Clamamos paciência aos Céus e a resposta vem com situações que fazem que a exercitemos. Conversas esclarecem, mas o poder do toque é poderoso. Sem palavra alguma. Apenas toque. Apenas cheiro. Apenas os sentidos entrando em ação. Tudo muda e todas as palavras foram apenas um pequeno detalhe, porém esse detalhe nunca pode ser deixado de lado. As palavras têm sua função, desde que não sejam vazias de conteúdo e veracidade. É justamente a veracidade que faz a diferença. O toque é apenas um esbarrão ou coisa do tipo quando não há veracidade. Esse toque verdadeiro provoca o beijo mais gostoso que é aquele que não foi dado ainda, e sim esperado, procurado, caçado. O segundo melhor beijo é o resultado e a explosão de emoções contidas em olhares, pensamentos, divagações e dúvidas. É o resultado daquele beijo na mão, aquela pegada na cintura, aquele "chega pra cá, meu bem", aquela tentativa mal-sucedida do encontro dos lábios antes do momento certo. 

A vida tem um esquema tático que não está em nossas mãos. Ele simplesmente se desenrola durante o jogo e aplicado com afinco resulta em sucesso. Um olhar diz muita coisa aos que sabem lê-los. Uma palavra pode mudar o rumo da prosa. Um toque pode resultar num beijo. Um beijo pode mudar duas vidas e um abraço pode consolidar todo o processo e levar um encontro casual a patamares jamais imaginados. Podem ligar duas pessoas pra sempre ou pro infinito, posto que é chama, enquanto dure.

Necessário nos é compreender os sinais. Enviá-los e recebê-los. Esse é um dos jogos que a vida nos coloca em campo. Nunca envie um sinal sem receber o feedback, exceto quando o primeiro sinal é emitido por você.

Beijo nas crianças,
MB