sábado, 29 de setembro de 2012

Gélida (Poema)

Nos seus olhos vejo a apostasia do mundo
É tão difícil sentir calor ao seu lado
E eu detesto frio
Sua presença arranha minha garganta
Com tristes canções
E causa-me espirros de melancolia
A sua frieza é tão forte
Que faz-me sentir no Pólo Norte
Em pleno Calçadão de Bangu