segunda-feira, 7 de maio de 2012

Piriguetes (Crônica)

Alô, alô!

Sui Generis foi uma crônica inspirada num poema de Mano Melo. Esta crônica está sendo inspirada na minha crônica anterior. Posso até dizer que é uma continuação, talvez. Vamos lá...

PIRIGUETES... Há tantos significados desta palavra... Uma ruptura de opiniões entre as mulheres. Umas se orgulham em ser. As que não são, odeiam quem são, principalmente se uma delas dá em cima, interage virtualmente ou apenas chega perto de seus namorados ou coisa do tipo.

Vou falar do que as Piriguetes significam pra mim, com escracho, sem pudores e SINCERAMENTE. É uma espécie feminina que mancha a imagem da mulher. É o oposto da Amélia de Mário Lago e Ataulfo Alves. Estas são os extremos da mulher. Não curto "Amélias" na mesma proporção que não curto "Piriguetes". Com mulher, vou de 9 a 79. Não trabalho com os extremos. É gostoso ter uma mulher que sabe fazer aquela comida deliciosa pro marido quando ele chega do trabalho e é gostoso também ter aquela mulher que deixa o marido louco de tesão quando ele chega do trabalho. Porém, é gostoso demais ter uma mulher que saiba se dar o respeito. Não entendam isso com a mulher ser comportadinha, colocar roupas de muçulmana cobrindo o corpo todo (no Brasil, essa não é a cultura predominante). A mulher pode muito bem sair, beber, dançar, paquerar (se não for solteira, por sua conta e risco). A mulher pode fazer tudo isso, mas a vulgaridade das Piriguetes pode atrair até a mim, mas podem crer que se eu estiver com vontade e paciência pra aturar a falta de conteúdo cerebral delas (sim, não há Piriguete culta), posso até levar pra cama e, pra mim, tudo ficar por aquela noite. Mas como vivemos num país Sui Generis (alô, Mano Melo!), algumas delas se apaixonam. Véi, na boa, imagina uma Piriguete no teu pé... Recorro a Francisco Milani: "Pedra 90, só enfrenta quem aguenta".

São até divertidas numa night, pois normalmente são animadíssimas, dançam tudo que se toca e pra homens com cérebro de amendoim, são perfeitas companhias. Porém, te mete a casar com uma... A cabeça não vai ter espaço, meu jovem, pra tanto chifre.

Normalmente, as Piriguetes tem dois tipos: as que esculpem o corpo nas academias e as que esquecem academias e dietas e apelam pras roupas curtinhas e comportamento erotizado pra atrair caras que só vão querer comê-las. O segundo tipo de piriguete normalmente é o que se apaixona, cobra fidelidade e quer até namorar. Porém, como tem a autoestima abaixo da sola do pé, dá mole pro primeiro "cueca" que balança o pinto. Faz tudo isso na tua frente, mané, mas ai de você se disser que ela dá mole pra outros... A menina chora, fica ofendida e te chama de injusto e fala que o mundo tem que ser conforme suas regras. Você, MANÉ, se comove e pede até desculpas. Se faz isso pela primeira vez, otário, babou! Ela vai passar até a sentir ciumes de você, e dependendo da personalidade, pode até criar barraco. As Piriguetes do primeiro tipo, são profissionais e também saem com manés, só que estes tem que ser marombados e com grana pra bancar os caprichos delas. São prostitutas que cobram em outra moeda. Algumas poucas se apaixonam. Mas Piriguete NUNCA se redime, meu amigo. Estas são pra comer e correr. Seja um Houdini, um David Copperfield ao "pegar" uma Piriguete.

Enquanto isso, as mulheres de verdade estão aí, sozinhas ou apelando pra imbecis que não as fazem felizes. Apenas ocupam espaço, pois algumas tem a ilusão de que não podem ser felizes sozinhas e escolher com mais critério. Sorte das mulheres de verdade que encontram um bom homem. Mantenha-os! Não façam a besteira de botar o cara pra fora da sua vida pra trocá-lo por um cafajeste e/ou troglodita.

Pra finalizar, a pergunta que não quer calar:
POR QUE PIRIGUETE NÃO SENTE FRIO?

Beijo nas Crianças (não deixem elas lerem isso, por enquanto... rs),
MB