quarta-feira, 9 de maio de 2012

Marcas (Prosa Poética)

Essas marcas estão no meu corpo inteiro, de unhas famintas, porém meu corpo é sábio e escondeu dos pobres mortais... Mas eu vejo cada uma delas como se tivessem sido feitas há minutos. Vermelhas como a paixão louca que nos consome quando nos tocamos. Que o tempo passe voando na espera, lento no durante e que o retorno seja breve. Eu lembro do timbre do seu gemido. É musical e intenso como os momentos mais fortes das mais belas canções eruditas.