segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Solteirice (Crônica)

Hoje parei pra pensar na "solteirice". Daqui a pouco mais de um mês completarei dois anos de "solteirice". Quem diria que eu ficaria tanto tempo sem uma parceira? Nunca passou de seis meses o intervalo de um relacionamento pro outro, comigo. Eu não vou fazer aqui um discurso, que acho ridículo, por sinal, dizendo que é por dificuldade de achar alguém legal, bacana. Todos os dias pessoas casam e outras se separam. Todos os dias casais começam a namorar e outros terminam. Haja vista que isso acontece, há gente legal sim, pra todo mundo, independente da orientação sexual. Há gente que não é legal, isso é fato, mas o mundo ainda é "bão", Sebastião.

Cheguei a pensar que eu tinha virado um iceberg humano e jamais me interessaria em uma mulher de novo. Achei que estava imune, pois estava adorando a vida de solteiro. Ainda gosto, pra ser sincero. A vida chega e promove encontros dados como impossíveis e põe fogo nos nossos corações de uma hora pra outra, coisa que deixa muita gente perdida e confusa. Em certo fim de semana, meu coração foi atingido por um potente "lança-chamas" e fiquei "desbaratinado". Foi bom ter sido fulminado por tanto calor, ainda que não correspondido. Ocorreram ao longo desses últimos quase 24 meses uns "incêndios" no meu coração, porém, sempre apagados pelos "bombeiros" da não-reciprocidade ou simplesmente da falta de sorte e/ou condições para dar prosseguimento àquilo que começava. 

Apadrinhei, ao todo, dezessete casais que estão juntos até hoje (sou pé quente...). Esqueci de como é bom ter uma companheira pra partilhar o fim de semana, fazer uma viagem juntos. Mas a liberdade de poder ir e vir sem dar satisfação a alguém é bom também. Ambas as situações tem seus lados ruins. Ambas as situações podem se tornar um "pé no saco" quando nós não valorizamos a pessoa que está conosco e/ou também a NÓS MESMOS. Tudo, quando sai do equilíbrio, dos trilhos, desencadeia tristeza, solidão (mesmo que acompanhada, que é pior ainda), dependência e vício.

Mais uma vez fica "martelando" na minha cabeça: É IMPOSSÍVEL SER FELIZ SOZINHO? Sei lá...

Beijo nas crianças,
MB