sábado, 17 de novembro de 2012

O Homem Que Matei (Poema)

Tenho uma dificuldade imensa de amar
Porém, maior ainda é a dificuldade de deixar de amar
Quando o amor adentra meu peito, não tem jeito

Tenho o dom de tudo estragar
Tive o amor nas mãos e no coração, na sua totalidade
Me desequilibrei e cometi erros tão imbecis

Menti sem necessidade, implodi a confiança dela em mim
Surtei e arrasei a mulher amada em três horas
O desespero só foi me levando a erros concatenados

E agora, como faço pra deixar de amá-la?
Sei que isso seria o que ela mais quer
Mais do que quereria uma mudança em mim

Matei o homem que ela amou
Ao contrário do que ela pensa, ele existiu
Eu o destruí e sombria ficou minha alma

Quero reviver este homem que existiu
Não por ela, mas por mim, tão somente
Eu gostava desse cara, eu ria desse cara

Comungo uma religião cujo Líder creio ter ressuscitado
E o Próprio diz em seus escritos sobre nascer de novo
Então o homem que matei aqui dentro pode voltar à vida?

Minha fé diz que sim, ele pode voltar e pode até ser melhor
Sim, essas sombras e névoas que me tomam podem se ir
E aquele homem que matei pode ressuscitar, ele pode sim!

Eu posso ser lavado dos pecados que cometi comigo mesmo
E dos que cometi com ela, independente de seu perdão
Ela me odeia e não ama mais o homem que matei

Hoje seria um dia de comemoração, mas é um dia de lamentação
Lamento por não estar sorrindo ao lado dela, lamento por não ser mais o homem que matei
O começo do acerto é o reconhecimento do erro

(Escrito em 25/05/2012)