sexta-feira, 9 de março de 2012

Palavra e Som (Poesia)

Sonhei com um letreiro que dizia:
"Procura-se dália"
Mas, eu só tinha uma rosa
Que era para lhe dar, meu amor
Pra dizer que sou seu beija-flor
Era o começo do dia, sol nascente
E estava na sacada de um prédio, em Chicago
Era bela, a vista de lá
Porém lembrei que você me evita
E escondi a tristeza
Na máscara do Fantasma da Ópera
Me perdi em lembranças dos seus lábios de mel
E parei quando recordei o dia que passei
De Dr. Jekyll para Mr. Hyde
Anoiteceu e a cidade ficou negra
Viajei tanto que o tempo passou
O Sol ferveu
E nem adiantou eu passar filtro solar
Fiquei ali dentro, eu e as crianças
Esperando a patroa chegar
Com o Irmão Urso, de pelúcia
Pra a criançada alegrar
Deixei a molecada assistindo As Visões da Raven
Enquanto eu pensava em estar na sua "COMPANYa"
Pensamentos que me faziam sentir pecador
Você vestida de freira, uma noviça rebelde
E pra balançar o esqueleto
E esquecer a tristeza
Pedi ao Seu Valença
Pra colocar bem alto
Irene Cara cantando Fame
E aí me recordei daquele letreiro que tanto me intrigou
"Procura-se dália"
Fechei os olhos e repeti:
"Procura-se dália"
Nesse momento entendi tudo!
Tanto tempo ligado nas palavras
E esqueci de me ligar no som
Que me dizia:
"Procura a Cidalia"