quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Uma Visão Sobre Relacionamento Homem x Mulher (Crônica)

Estava respondendo num fórum do Facebook a um questionamento de uma querida confrade sobre o que um homem admira numa mulher que está querendo conquistá-lo. Comecei dizendo que não sou lá um bom parâmetro pra responder a pergunta dela com um tom de "receita". Sinto-me diferente do conceito feminino sobre os homens. E concordo. Assim diz Laércio Benitez (pra quem não sabe, é o meu "eu lírico"): "Homem não presta, por isso não gosto de homens". Fui respondendo a moça e acabei vendo que esbocei essa crônica e como ando muito "dedo nervoso", a necessidade de escrever se faz presente.

O que admiro numa mulher é justamente a personalidade. Não podemos confundir personalidade com intransigência (eu sou assim e não vou mudar, aceite-me como sou ou VAZA!). A personalidade é algo pra ser constantemente verificado. É preciso saber o que necessita ser mudado e quando. Isso só a própria pessoa saberá.

Entendo eu, como homem, que, definitivamente, não gostamos de "Maria-Vai-Com-As-Outras". Alguns acham que gostam das subservientes, mas o que mais vejo são caras que traem esse tipo de mulher. Queria até colher dados estatísticos pra minha colocação ter mais embasamento. Tem o outro lado da moeda, que citei acima. O extremo. A personalidade muito forte. Acho legal até a página 17. Entrou na 18, fica um saco, pois ali começa o capítulo tenebroso chamado "A Dona da Verdade". Aí, minhas queridas, fica um pé no saco e a gente corre mesmo. No meu caso, não por medo, mas sim por querer fazer melhor uso do meu tempo.

Me tornei, com o passar dos anos, totalmente contra a sair namorando "de cara". Acho que muita gente usa essa coisa de "ele é meu namorado, ela é minha namorada" pra "causar" entre os amigos. Quando a coisa é feita na base da pressa, da precipitação, o que "causa" é uma sucessão de problemas. Acho uma tremenda leviandade com si próprio colocar um estranho ou uma estranha em sua vida. As pessoas primeiro namoram e depois se conhecem. Spock (Star Trek - Jornada nas Estrelas) diria que isso é ILÓGICO. Estou com o vulcaniano.

Quero dar receita não, mas uma sugestão do Chef, prato pronto, grátis para degustação: Saia bastante com a pessoa. Converse bastante com a pessoa, saiba suas ideias, seus sonhos, seus objetivos, fale de sua vida da mesma forma. Abram-se de forma segura para pelo menos vocês se conhecerem um pouco melhor. Quando me interesso numa mulher, a senha que dou é: "Podemos nos conhecer melhor?". Acho que uma mulher pode perguntar isso a um homem também. Acho digno, acho bonito e eu me sentiria bem em ouvir isso. Essa pergunta, por si só, já é um teste. Se a pessoa mostrar algum sinal de recusa ou repulsa em relação a essa pergunta, use a tática do Leão da Montanha (saída pela esquerda ou direita, depende do lado que você quiser, contanto que caia fora, porque é uma cilada, Bino). Quem não quer saber quem você é e não quer mostrar quem é, é furada, vai ser passatempo e acho que você, mulher, tem que se valorizar e deixar de ser passatempo dos outros. E você, homem, presta atenção se a mulher está querendo um financiador para as suas diversões. Sim, tem mulher interesseira no maravilhoso mundo feminino. Nos dois lados, há espécimes que não prestam nem pra um encontro fortuito. Corram dessas pessoas o mais longe que puderem.

Essa fase de conhecimento é importante e deve ter um tempo mais ou menos determinado, mas não verbalmente. É um lance de percepção. À medida que um vai se interessando no outro, um vai procurando o outro. Quando só um procura, acenda a luz do alerta. Reveja. A coisa deve ter um limite de tempo, senão vira "chove-não-molha".

A medida que a coisa vai evoluindo, o intervalo entre os encontros vai diminuindo, em algum momento ambos vão ficar mais à vontade e os defeitos começarão a aparecer. Aí o sentimento criado nesse processo todo vai ser testado e aí é a hora de saber: "vamos namorar ou não?".

Tenho 34 anos bem vividos e de acordo com essa vivência, não dou 100% de garantia, mas afirmo com muita certeza que a probabilidade desse relacionamento dar errado é MUITO menor do que os relacionamentos que começam na base da pressa e da carência.

Colem em mim que vocês passam de ano.
Beijo nas crianças,
MB