segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

O Dia da Saudade Que se Foi (Poema)

Fiquei sabendo que 30 de Janeiro é o Dia da Saudade
E fiquei, no banho, pensando em tudo que eu sentia saudade
Surpreso, descobri nos meus escombros sentimentais
Que uma saudade não mais existia
Pensei fortemente nessa pessoa
Repeti seu nome em pensamento várias vezes
E senti nada... nada...
Não havia saudade
Não havia mágoa
Não havia retrospectivas
E escapou do meu rosto um sorriso
Acompanhado de um sentimento de paz
Ao sair desse banho, que lavou minha alma
Vim ao computador e fiquei contemplando uma bela foto dela
E senti nada... nada...
E comecei a escrever esses versos em paz
Com respiração lenta, compassada
Com uma leveza que não sentia há tempos
Com uma leveza que nunca senti ao lado dela
Ao invés de ofendê-la poeticamente, como fiz outrora
Quero agradecê-la!
Aprendi muito ao lado dela
E nas dores da ausência dela
Arruinou-me a vida!
Mas agradeço, porque arruinou uma vida que eu não queria viver!
Levou-me a me conhecer, a me reencontrar comigo
Dia 30 de Janeiro, particularmente, pra mim, passa a ser também
O DIA DA GRATIDÃO
Não tem mais ressentimentos
Aprendi que não devo me irritar quando me chamam de filho da puta
Porque minha mãe não é uma
Aprendi que não devo me irritar quando me chamam de desgraçado
Porque a graça divina se faz presente em todos os dias da minha vida
Até daquela vida que eu não queria, e que foi arruinada
GRAÇAS A DEUS!
Aprendi que não devo me irritar quando me chamam de peso morto
Porque Deus (acreditem Nele ou não) me deu um dom que faz muita gente feliz
E que até já salvou vidas, inclusive a minha
Enfim, aprendi com ela que não devo me irritar quando me chamam de algo que não sou!
Aprendi que o rancor leva à morte física e espiritual
E decidi que não quero partir dessa vida
Antes da minha hora chegar
MUITO OBRIGADO!